Comunicação interna pós pandemia

Comunicação interna é um pilar importante em qualquer empresa, sendo responsável por fazer circular as informações entre a liderança e os funcionários, diminuindo falhas e ruídos de comunicação. 

Não só a integração entre todos os setores é melhorada com a comunicação interna, mas ela também é uma forma de colocar em prática a cultura organizacional, pois o clima da empresa é melhorado como um todo. 

Nesse texto falamos como aprimorar a comunicação interna dentro da sua empresa, a fim de que ela transforme positivamente a rotina dos funcionários, por isso a comunicação interna se mostrou fundamental durante o distanciamento imposto pela pandemia. 

A Associação Brasileira de Comunicação Empresarial realizou uma pesquisa em 2020 em que levantava os principais desafios que a COVID-19 trouxe para a comunicação organizacional e o estudo revelou que:  

83% dos entrevistados informaram que a comunicação interna foi o setor mais afetado pela pandemia de Covid-19. 

Sendo que 90% das pessoas ouvidas informaram que a empresa intensificou o processo de comunicação digital por meio de plataformas online, utilizando-as em campanhas, reuniões, boletins e comunicados. 

Na mesma pesquisa, foi apontado que 90% das empresas montaram um comitê para tratar de questões relacionadas a crise de Covid, sendo que 95% desse grupo era formado pela área de Comunicação. 

Isto é, a comunicação interna foi a base das organizações para ajudar no desenvolvimento e progresso da empresa durante os meses incertos que estavam pela frente. 

Agora, dois anos depois, a comunicação interna ainda se mostra presente no nosso dia a dia, mas apesar de todo esse período e de estarmos habituados ao trabalho remoto, ela ainda enfrenta dificuldades. 

Um dos obstáculos para isso é a falta de aprimoramento por parte das lideranças para que ela seja realmente efetiva e encontre espaço cativo nas organizações. 

Uma tendência para os gestores é se aperfeiçoar em técnicas de liderança, que inclui a e-leadership, em que o líder utiliza de ferramentas online para engajar e se comunicar com a sua equipe. 

Essa “liderança online” encontra apoio em ferramentas de gestão de pessoas e projetos, que foram criadas ou aperfeiçoadas para auxiliar no trabalho e gestão à distância, visando dinamismo e flexibilidade entre as equipes. 

Porém, além da liderança utilizar de meios digitais para ajudar com a comunicação, é preciso que eles também sejam propagadores da cultura da empresa e que eles também engajem nas ações internas de integração e comunicação. 

Afinal de contas, o líder tem um papel importante com os demais membros da equipe, portanto, é preciso que ele esteja a frente das propostas da empresa e atue como um exemplo para os demais. 

Caso a empresa realize ações para aproximar os funcionários uns dos outros e o líder da equipe não participe desse momento, de que forma o time se mostrará motivada a também participar? 

Além disso, é preciso que a comunicação interna alcance todos os funcionários da empresa, seja do cargo mais alto ao operacional, pois todos precisam ter acesso as mesmas informações e falar a mesma língua. 

Nenhum funcionário gosta de saber sobre seu ambiente de trabalho por meio de informações incompletas ou através de redes sociais, pois desta forma, eles não se sentem parte daquele lugar ou então sentem-se deixados de lado. 

Outro ponto a ser levado em conta é a humanização da comunicação interna, visto que não basta que as informações sejam repassadas, se isso for feito de maneira fria ou robótica. 

A comunicação interna humanizada busca maior interação com as pessoas, pois é feita de uma maneira mais fluída e informal, atraindo os funcionários de forma afetiva e cuidadosa. 

Desta forma, a comunicação interna humanizada reforça o vínculo entre os funcionários, pois eles se sentem mais ligados à empresa, e consequentemente, o engajamento deles com outras ações propostas também será maior. 

Por isso a comunicação interna, clara e transparente, é tão importante para as empresas: aplicá-la eleva a confiança dos funcionários e reforça a cultura organizacional. 

Por Grazyele Lopes